Sobre Hilda

foto-hilda-salomao

Hilda Salomão

Ela é filha e neta de ceramistas e ja desde cedo se envolve com o universo das artes plásticas e, em especial, com a cerâmica, paixão que direcionou sua profissão e a despertou para a pesquisa com argila.

Formada pela Escola de Belas Artes da Universidade Federal da Bahia em 1978, ano em que passou a expor seus trabalhos e a dedicar-se ao ensino da técnica da cerâmica, tendo como grande mestre sua mãe a ceramista Ângela Salomão, ampliou as possibilidades do uso da argila na expressão plástica com sua pesquisa para o trabalho da cerâmica em painéis.

Nomeada professora da cadeira de cerâmica do Museu de Arte Moderna da Bahia, onde antes aprimorou seus conhecimentos nas oficinas de Expressão Plástica.

Em Salvador, realizou diversas exposições coletivas e individuais. Pela excepcional aceitação por parte da crítica e público, seus trabalhos sempre são requisitados para integrar projetos concebidos pelos mais destacados arquitetos e designers de interior da capital da Bahia. Participa de várias exposições coletivas como ceramista e pintora.
No exterior, suas obras foram expostas em festivais de cultura em Portugal, Argentina e, em 2002, participou por dois meses da mostra “Tratti i Colori dal Brasile – Pittura e Poesia, na cidade de Milão, Itália.

Em 2014, convidada pela curadoria da III Bienal da Bahia, participa com o projeto mural aberto e exposição de suas obras no seu próprio ateliê que fez parte do roteiro da Bienal. Sua principal obra para esse evento, a escultura “A Nordestina” integra hoje o acervo permanente do Museu de Arte Moderna da Bahia.

Em seu ateliê forma profissionais, desenvolve trabalhos como terapia ocupacional mantendo um espaço aberto para o aprendizado de técnicas artísticas, em especial a cerâmica e o desenvolvimento da criatividade. Muitos de seus alunos ingressaram no mercado de trabalho e encontraram nessa linguagem um novo caminho para realização pessoal.

Professora do MAM

Atua no Museu de Arte Moderna da Bahia, desde 1986, onde dedica-se ao ensino de técnicas artísticas nas Oficinas de Expressão Plástica do MAM. Nos primeiros cinco anos coordenou as oficinas de papel artesanal, ensinando a técnica e desenvolvendo pesquisas junto aos grupos de alunos. A partir de 1990 passou a ensinar a técnica da cerâmica, atendendo a grupos semestrais que buscavam o aprendizado básico dessa linguagem. Durante esse período o MAM formou profissionais, que atuam hoje no mercado de arte, que iniciaram seu aprendizado com a artista.